Paris me Chama

Une brésilienne à Paris

by Paula Saady

Paris je t’aime

Paris je t’aime

Paula's Diary

Queridos,

Vocês que me acompanham pelo insta, facebook ou até snapchat sabem o quanto os ataques terroristas em Paris me abalaram, por isso andei meio sem clima de postar aqui no blog. Pois uma coisa é ver da televisão, como já vi muitas vezes tragédias ao redor do mundo, outra coisa é ver da sua janela, o sofrimento humano ao vivo, parece que gruda na carne, te marca para sempre. Ok eu sou do Rio de Janeiro, já fui assaltada com arma, já fugi de tiroteios, enfim tudo o que vocês podem imaginar de uma vida em uma cidade grande brasileira. No Brasil morrem muitas pessoas vítimas da violência diariamente, quase uma estatística de guerra, só que não são todas no mesmo lugar, na mesma hora, no seu bairro, com seus amigos, no seu restaurante, na sua calçada. Eu não estava em casa quando aconteceu. Morando literalmente no meio dos pontos atacados, a primeira coisa eu pensei nas minhas filhas, no meu marido, todos me esperando em casa. Será que vou conseguir voltar? Será que está tudo bem com eles? A vida é tão frágil, tão simples, a gente que complica… A melhor coisa para mim foi chegar em casa, mesmo atravessando barreira policial, a zona do ataque, assistindo o salvamento de perto, chegar e ver minha família sã e salva. No dia seguinte tomei um longo banho, fiz exfoliação no corpo, no rosto, lavei o cabelo várias vezes, na esperança de limpar essas memórias e renascer outra pessoa.

Vista da janela, o o dia seguinte
Vista da janela, o o dia seguinte
Vista da janela, o o dia seguinte

E agora Paris ? Uma das cidades mais lindas do mundo, um sol de inverno, está tudo lindo como um cartão postal. Só os parisienses, não acostumados com a violência, estão sofrendo, mas estão lutando. Por enquanto está difícil ver um sorriso. Nas ruas, cada vez que se escuta um barulho de sirene todos se arrepiam. Eu estou me esforçando, tentando fazer a minha parte nesse cidade que me recebeu tão bem: passo meu batom, vermelho, sorrio e digo bonjour. Me perguntaram se eu gostaria de me mudar, eu digo que não. Eu gosto desse bairro, dessa vida e de tudo que há em volta. Paris é uma cidade livre, que eu escolhi para morar. Paris je t’aime ! Vamos celebrar Paris !

Clique aqui para ver o meu depoimento e do Paulo Pereira no site da Lu Lacerda

foto acima: @beabookingstore
_________________________________________________

English, Please!

Dear,

The ones that follow me, sur instagram facebook or even snapchat knows how that the terrorist attacks in Paris were very near my home and I was really shocked these days. Because one thing is to see the television, as we have seen many times tragedies around the world, another thing is to see from your window, live human suffering, it seems that sticks in the flesh, marks you forever. Ok I’m from Rio de Janeiro, I’ve been assaulted with gun, and lived a bit everything you can imagine a life in a Brazilian big city. In Brazil many people die victims of violence every day, almost the same as in a war, only that they are not all in the same place at the same time, in your neighborhood, with your friends, in your restaurant in your sidewalk. I was not at home when it happened. Living literally in the middle of the attack points, the first thing I thought was about my kids in my husband, all waiting for me at home. Will I get back? Is everything okay with them? Life is so fragile, so simple, we complicate things everyday … The best thing for me was to get home, even through police barrier, the area of ​​the attack, watching the near rescue, come and see my family healthy and save . The next day I took a long bath, exfoliation made in the body, the face, washed my hair several times, hoping to clean up those memories and be reborn as someone else.

Loved to see the Eiffel Tower
Loved to see the Eiffel Tower

And now Paris? One of the beautiful cities in the world in May, a winter sun, everything is beautiful like a postcard. Only the Parisians, not used to violence, are suffering but are struggling. For now it is hard to see a smile. On the streets, each time you hear a siren noise all bristle. I am struggling, trying to do my part in this city that received me so well: put on my red lipstick, smile and say bonjour. I was asked if I would like to change neighbourhood, and I said no. I like this neighborhood, this life and all that is around. Paris is a free city, I chose to live. Paris je t’aime! Let’s celebrate Paris!

Soon more fashion to you !

Kiss Kiss

André Saraiva
André Saraiva

2 Commentaires
Newsletter